Marca do CREA-PA para impressão
Disponível em <https://creapa.org.br/crea-pa-vai-apoiar-e-fiscalizar-acoes-para-erradicacao-da-mosca-da-carambola-em-oriximina/>.
Acesso em 14/07/2024 às 01h23.

CREA-PA vai apoiar e fiscalizar ações para erradicação da mosca-da-carambola em Oriximiná

A Inspetoria do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Pará (Crea-PA) de Oriximiná recebeu, nessa quinta-feira (21/09), os Agentes da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepara) para discutir estratégias de combate a uma ameaça crescente para a fruticultura no estado: a Mosca-da-Carambola. A reunião foi conduzida pelo Inspetor Chefe, Eng. Civil Mário Giordano e pelo Agente Fiscal Fagner Fraga.

22 de setembro de 2023, às 10h59 - Tempo de leitura aproximado: 1 minuto

A Inspetoria do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Pará (Crea-PA) de Oriximiná recebeu, nessa quinta-feira (21/09), os Agentes da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepara) para discutir estratégias de combate a uma ameaça crescente para a fruticultura no estado: a Mosca-da-Carambola. A reunião foi conduzida pelo Inspetor Chefe, Eng. Civil Mário Giordano e pelo Agente Fiscal Fagner Fraga.

Essa praga, conhecida como Mosca-da-Carambola, representa um sério risco econômico, social e ambiental para os produtores paraenses. Com um ciclo de vida de 126 dias e capacidade de colocar até 1.500 ovos, a mosca pode causar danos devastadores às plantações.

Identificar a Mosca da Carambola não é tarefa fácil, uma vez que existem diversas espécies de moscas. Para garantir a detecção precisa, é necessário passar por treinamento especializado para identificar a praga. Para ajudar na identificação e controle da praga, são utilizadas armadilhas específicas, como a armadilha Jackson e a armadilha McPhail, que desempenham um papel fundamental na vigilância e no monitoramento da Mosca da Carambola.

Desse modo, é importante destacar a parceria entre o Crea-PA e a Adepará nessa iniciativa, que visa proteger o bem-estar dos consumidores e preservar a economia dos produtores. A união de esforços dessas instituições é essencial para garantir a segurança da fruticultura paraense e mitigar os riscos associados à presença da Mosca da Carambola.